11 novembro, 2011



Só ele conheceu uma mulher corajosa que admitiu todos os medos, todas as neuroses, todas as inseguranças, toda a parte feia e real que todo mundo quer esconder com chapinhas,  peitos falsos, bundas falsas, bebidas, poses, frases de efeito, saltos altos, maquiagem e risadas altas. Ninguém nunca me viu tão nua e transparente como você, ninguém nunca soube do meu medo de nadar em lugares muito profundos, de amar demais, de se perder um pouco de tanto amar, de não ser boa o suficiente.
Só ele viu meu corpo de verdade, minha alma de verdade, meu prazer de verdade, meu choro baixinho embaixo da coberta com medo de não ser bonita e inteligente.
Só para ele eu me desmontei inteira porque confiei que ele me amaria mesmo eu sendo desfigurada, intensa e verdadeira, como um quadro do Picasso.
     
Tati Bernardi

31 outubro, 2011

...



Nem carinho, nem devaneios... Só algumas pirações necessitando solução.
Ela não sabe por onde começar. Demorou tanto pra tomar coragem de viver isso... acreditar nas palavras dele, no seu jeito de olhar, nos seus sonhos que no fundo ela queria que fossem dela também. E sabe de uma coisa? Se tornaram... Ele não tem idéia do quanto ela fugiu desse sentimento de vulnerabilidade em que se encontra agora... pequena, com frio, com medo...
Lembrou de uma frase da Luciana Brito que dizia assim:
"Entende que é medo, dói, que o passado ainda é tão presente e o futuro tão incerto. Entende que é difícil acreditar não só em você, mas em mim. Entende que eu passei anos desacreditando de tudo que você me oferece agora (...)".
E é exatamente isso... Longe de escrever letras de música ou poesias, ela mal consegue organizar o que sente agora... E o mais irônico é que a mesma maluquice da vida que fez eles se encontrarem, também os fez encontrarem outras pessoas, viver outros momentos. E isso não é ruim. É o que traz graça pra vida, que os faz ser quem são... essas linhas que as pessoas vão escrevendo (neles e com eles...)
Ela não conseguiu distinguir se as lágrimas eram por ela ou por eles acredita? Complicado explicar que ela sabe o que sente, entende o que ele sente... mas se sente pequena, diante desse carinho tão grande... não se sente o novo rumo sonhado sabe? "Querido"... Mas, o novo rumo "possível"... Ainda que tudo seja possível... Ela e ela... Ela só queria ter certeza que não é uma opção... que é a pessoa com quem ele quer ficar, de quem ele sente saudade, em quem pensa quando acorda, a voz que ele quer escutar sabe? Quando abre os olhos de manhã... Ou 'de tarde' como ele brinca com a maneira dela falar...
Difícil não se sentir essa energia arrebatadora sabe? Difícil se sentir "a segurança'... A bonequinha... Acho que ela queria que ele se sentisse como ela... Sentisse essa vontade maluca de estar junto, misturada com a  incerteza que todo amor provoca...
E pensar que demorou tanto pra ela ter essa coragem de enxergá-los sabe, de entrar nessa brincadeira enquanto viajava nas músicas do Leoni, do Frejat... E quanto ela pensou neles se encaixando nos pedacinhos daquelas letras que pareciam adivinhar o que ela sentia... Ainda que ela tenha problema com perguntas objetivas e que conjugar verbos não seja o seu forte. Agora... Certo medo do presente... do futuro nem se fala, e mais medo ainda de como isso vai virar passado.
Ela pensa nas conversas...  às vezes, falando sem parar, mania de mudar de um assunto pra outro, ele ouvindo com aquele jeito carinhoso de quem tá com sono mas está escutando a coisa mais importante do mundo. Ela sorrindo feito boba, vendo os olhos dele brilharem ao falar sobre músicas e bandas e letras e curiosidades... Adivinhando o nome das músicas que tocam no rádio, o nome das bandas e ainda algumas curiosidades de vez em quando. E pensando em como essas coisas o fazem feliz... e em como é importante que ele nunca esqueça disso... E perdendo o ar, o chão cada vez que ele a olha daquele jeito... e perguntando sem jeito "O que foi?"...
Acho que ela queria acordar e ficar enrolando na cama pra levantar, queria acordar de madrugada com um carinho dele, olhar ele dormindo e pensar caramba, que sorte que a gente se encontrou... Acho que ela queria dar risada com ele das coisas mais bobas, contar as suas inseguranças malucas, daquele jeito corrido e desorganizado que nem ela entende, mas que ele ouve, olhando com carinho. Ela só queria poder vê-lo de longe e continuar sentindo esse frio na barriga e essa vontade louca de correr abraçá-lo sabe? E talvez, porque isso signifique quase se esquecer do mundo quando ele a abraça...
E agora ela tá se sentindo meio boba pensando nisso tudo... Sabe, ela só queria ser a pessoa que ele pensa quando quer viver essas coisas bobas, que ela sabe que todo mundo quer viver (nem que seja lá no fundinho)...

11 setembro, 2011

Sentir...



Ela só precisa sentir que não há com que se preocupar, você tá ali e tal...
(Gabito Nunes)

04 setembro, 2011

Antes que eu pudesse me assustar... eu já estava lá dentro.



Há alguns dias, Deus — ou isso que chamamos assim, tão descuidadamente, de Deus —, enviou-me certo presente ambíguo: uma possibilidade de amor. Ou disso que chamamos, também com descuido e alguma pressa, de amor. E você sabe a que me refiro. Antes que pudesse me assustar e, depois do susto, hesitar entre ir ou não ir, querer ou não querer — eu já estava lá dentro. E estar dentro daquilo era bom.
Caio Fernando de Abreu

Será que alguém nesse mundo sabe somente sentir? Eu queria tanto ser essa pessoa só por 24h... 24h somente vivendo, sentindo e ponto. Queria tanto não querer me explicar... Queria tanto não precisar me explicar! Mas, agora, eu queria mesmo te dizer que eu sou assim confusa... E que os meus silêncios e as minhas falas 'atrapalhadas' refletem a dúvida de quanto e como me mostrar pra você... apesar de parecer meio óbvio como tenho me sentido ao seu lado e apesar de eu não conseguir ser diferente do que eu sou... Como se eu pudesse mesmo controlar o quanto me mostrar...

Queria te dizer que o meu 'bobo', 'bonitinho', ou mesmo o meu 'um dia' ou 'algum dia' são parte dessa pessoa confusa e apaixonada sabe?! Que eu já tive sim vontade de te chamar de meu amor... Quando eu acordo de madrugada e fico olhando pra você... Quando eu passo a manhã inteira pensando em você e te vejo chegar... Vontade de mandar uma mensagem de madrugada só pra te dizer... 'Amor, tô pensando em você... queria que você estivesse aqui comigo'.

Queria poder te dizer que às vezes (muitas vezes!) as palavras enroscam... e o meu pensamento se confunde... e eu só sei que quero estar com você... Que você me fez fazer as pazes com um lado meu que é muito bom, mas que também dá medo...
Medo porque, eu, que estava tão certa sobre mim e as minhas convicções sobre gostar, sobre ter alguém, sobre futuro, desejos, estou tentando evitar essa palavra, mas sobre amor... Me vejo aqui, sorrindo com as mensagens no celular, sorrindo ao ouvir sua voz, sorrindo por apenas te ver de longe e querendo cada vez mais estar ao seu lado. Lembrando de você com as músicas que tocam, com o frio que está lá fora, o meu pijama normal pijama...

Queria apenas chegar a conclusão de que está tudo bem. E está, eu sei. Lembra que te disse que queria algo que me fizesse bem, algo que fosse leve? É exatamente isso que eu quero e é exatamente isso que você está sendo pra mim. Você me faz sentir tranquila comigo e tranquila com quem eu sou quando estou com você. Há tempos eu não cabia em mim mesma assim, perto de alguém...

Eu que tinha tanta certeza do que eu queria... e naquela madrugada eu acordei várias vezes tentando admitir pra mim mesma que eu quero sim outras coisas e que você faz parte delas agora... (Como, por exemplo, toalhas coloridas.)

Acho que eu preciso te dizer que tô gostando de você mais do que eu imaginava ser possível gostar sabe? Não por você lógico, mas por mim! Que eu não sei o que fazer direito com isso sabe?! Com esse querer acordar de madrugada e te ver dormindo do meu lado, ou acordar com um beijo ou um carinho seu... ver a sua cara de sono, de quem sabe, não sei como, que as coisas vão ficar bem... e é claro, o seu sorriso lindo, se você soubesse o poder que esse seu sorriso tem de me deixar tranquila e quase acreditar que um dia eu posso ser essa pessoa que só sente...

Sabe porque eu fico sem jeito, com cara de quem não sabe o que dizer, quando você me diz as coisas mais fofas do mundo? Porque eu quero exatamente tudo isso que você quer, só não tenho essa sua coragem de ser feliz ainda sabe? Como se eu tivesse medo de tanta felicidade... Há algum tempo eu escrevi isso... sem te conhecer ainda... mas posso te dizer que você cabe perfeitamente aqui...

"Na verdade a única coisa que parece fazer sentido para mim agora é a idéia de que alguém possa compartilhar a maluquice da sua vida com a minha maluquice sabe? E compartilhar não significa substituir nada, trocar nada, deixar nada, simplesmente perceber que em alguma coisa, de alguma maneira a gente pode funcionar bem junto. E fazer desse dia a dia mais divertido, encontrar outros significados, outras possibilidades...

Do tipo perceber que o seu all star azul combina com o meu preto de cano alto, ou sentir muita vontade de continuar aquela conversa que não terminamos ontem e ficou pra hoje, ou perceber que eu acertei o pulo quando te encontrei, ou saber que as coisas podem melhorar se quando eu estiver triste você simplesmente me abraçar, ou num dia inesperado pisar numa poça e você me estender sua mão, perceber que meus olhos brilham e que eu vejo o céu no chão, talvez assumir que não te conheço, mas te quero, ainda mais por isso, e poder te pedir pra dizer que você me quer (porque eu te quero também), ou simplesmente me dizer o que é o sufoco, ou sossego, ou seja lá o que for, pra que eu possa te mostrar alguém afim de te acompanhar.

No fim das contas, acho que não deve haver nada de tão sensacional, espetacular, ou de outro mundo sabe? Não que o amor, ou seja lá o que for não tenha a sua magia. Claro que tem. Mas no fim, eu acho que talvez seja só a alegria, a sensação boa de ‘se ver’ em outra pessoa. E não porque essa pessoa seja como eu, ou porque eu queira que ela ou eu nos tornemos outras pessoas, mas simplesmente porque o que eu sou faz sentido pra ela naquele momento, e vice versa".

Acho que eu só queria te dizer que o que estamos vivendo é muito importante e especial... e que você ao meu lado faz todo sentido do mundo! E como eu já te disse uma vez, uma coisa em que pensei e tenho pensando muito é que é importante dizer para as pessoas como elas são especiais, e não porque eu estou por perto agora, mas porque você é especial de verdade, alguém admirável e apaixonante... e isso é atemporal e independe da minha companhia, ok? Por isso não se esqueça disso... E você sabe que eu adoraria ficar hoje e depois e depois com você... até sabe lá quando, certo?

12 junho, 2011

Meu coração eu pus no bolso...




Mas apareceu um moço
Que tirou ele dali...
(Ana Canãs)

E agora?
Tenho pensado que a vida seria bem mais simples se todos dissessemos o que sentimos... Ainda que não soubessemos explicar, ou mesmo entender... Apenas dizer já tornaria tudo mais simples...
São 2h19 da madrugada e eu estou aqui pensando no que você sente... Se sente... Por quem sente... E calma, ainda não estou apaixonada eu acho... Apesar do seu sorriso iluminar um dia chato, quase trazer um arco iris numa manhã de chuva... Do seu abraço acalmar uma sexta-feira terrível... Das suas mensagens despertarem uma felicidade sem tamanho que eu nunca imaginei que caberia em poucos caracteres de um celular. E do seu beijo não me deixar dormir... e me fazer querer ficar...
Queria tanto te dizer que não quero nada. E não querer nada não é ruim. Quero o que tiver de ser... Queria te dizer que tenho medo de errar a medida e não saber demonstrar o quanto você é uma pessoa especial... De querer demais, querer de menos não seria o caso, mas talvez parecer querer de menos... de estar perto demais, de ficar longe e perder o 'bom' de estar perto de você, de dizer e não ser compreendida, de não dizer e ficar remoendo os diálogos imaginários que eu mesma crio e vivo... sozinha... De estragar sem nem saber direito o que eu estou estragando...
Quando li: 'queria passar o dia de hoje com você...' senti aquele medo que percorre a espinha sabe? Ao pensar... que tenho medo de querer passar esse e outros dias com você... Acho que são mesmo poucas as pessoas que nos dizem o quanto somos especiais, e queria ser uma delas pra você. Queria te dizer que não precisa se preocupar comigo... Dizer que me assusta querer alguém bem assim de novo... Me assusta não saber o que fazer com esse 'querer bem'. Naquela sexta-feira você me fez pensar que eu ainda posso e devo me surpreender com coisas boas... E só isso já muito sabe?
Vontade de te mandar uma mensagem agora só pra dizer que você é especial...  Medo de parecer boba às 2h29 da madrugada...
Acho que ainda estou com medo... principalmente porque eu sei que você é alguém apaixonante e que talvez esse seja um caminho com uma volta um pouco complicada... E mais, um caminho desconhecido, cheio de coisas inesperadas que tanto me desesperam... e que talvez (eu já saiba aqui dentro que) eu não queira voltar... E mesmo sem te conhecer muito, sei que merece algo especial que o faça sentir como eu estou sentindo entende? Ainda que eu não saiba exatamente o que estou sentindo... Acho que só queria te dizer: "Ei, tenho pensado muito em você e isso tem me feito muito bem...".
Dia dos namorados? Dia mesmo, é aquele dia em que você sente que as coisas fazem sentido por você e por como você sente em relação ao mundo... E em relação a quem faz parte desse mundo...

24 abril, 2011

Medo...




Medo de se apaixonar
Fabrício Carpinejar

Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.
 

19 abril, 2011

Tentando deixar o dia seguinte ser só o dia seguinte...




Acabei de ler essa frase da Tati Bernardi no blog "A menina por trás da vidraça":

“Ele gosta dela. Não tem mais como fugir. É, dá medo. Ela deve estar com medo também. Gostar é começar o inferno tudo de novo. Mas ela, quem diria, escreve lá no texto que topa. Topa começar tudo de novo.”

E fiquei aqui pensando quando é que a gente começa a gostar? Primeiro fiquei meio preocupada porque passei um bom tempo sem nem saber por onde começar a responder e sem nem sequer lembrar de alguma sensação que pudesse me ajudar a definir esse momento...

O momento em que alguém passa de só mais uma pessoa entre as tantas outras bilhões de pessoas, para 'aquela' pessoa em que você anda pensando demais, que te desconcerta só com o 'bom dia' corriqueiro de todo dia, que te faz ficar sem graça simplesmente por lhe oferecer ajuda, e que de alguma maneira mágica combina com todas aquelas músicas que você vinha ouvindo e pareciam tão vazias, sem personagem sabe?
Acho que é exatamente por aí que começa...

Não sei, você tem alguma coisa diferente, que desde que fomos apresentados eu não queria descobrir o que era. Afinal, lá no fundo eu já sabia que isso poderia dar errado ou certo demais... Talvez por isso quando te conheci a primeira coisa que pensei foi: 'Estava indo tudo bem até agora', o que pode ser traduzido por: "Estava tudo sob controle e você respresenta uma grande possibilidade de me tirar esse chão sem graça, e esse céu cinza que eu tanto adoro e as minhas músicas sem personagens'. Porque de verdade, não tem nada que me deixe com mais medo do que não controlar o que eu sinto... Ainda que seja um controle ilusório.

Acho que as suas camisetas e o seu All Star tem culpa no cartório também, e esse jeito 'sorrindo' de levar a vida, sempre descontraído... E essa sensação de querer estar perto sem pretensão alguma? Ok, quase sem pretenção alguma. Mas é sério, não te conheço, sei poucas coisas sobre você e a única coisa que sinto vontade agora é de saber mais...
Pela primeira vez não me importa onde isso possa dar, importa que no meio desse caos do  mundo a gente se encontrou e talvez essa seja a grande sacada. Pouco me importa o que seremos, mas que pelo menos aproveitemos esse encontro. Queria poder dizer que topo... topo começar tudo de novo, seja lá o que isso signifique. Prometo que vou trabalhar nisso... Mas quer saber? Não sou muito boa com promessas...

18 abril, 2011

Quando fui chuva...





Quando já não tinha espaço, pequena fui
Onde a vida me cabia apertada
Em um canto qualquer,
Acomodei minha dança, os meu traços de chuva
E o que é estar em paz
Pra ser minha e assim ser tua

Quando já não procurava mais
Pude enfim nos olhos teus, vestidos d'água,
Me atirar tranquila daqui
Lavar os degraus, os sonhos, as calçadas

(Quando fui chuva - Maria Gadú
Composição : Luis Kiari e Caio Soh)


16 abril, 2011

Até que faz sentido agora...





"Demorei quase um ano pra voltar.
E afinal não foi tão difícil atravessar aquela rua.
Tudo depende de quem está esperando do outro lado".

(Filme: Beijo Roubado/Martha Medeiros)

15 abril, 2011

Thanks!




Caramba! Fui olhar o blog hoje e vi 100 seguidores! Pôxa vida! Sei que não sei escrever poesia, e que às vezes fico muito temposme postar, e quando posto posso colocar coisas que vocês já leram em alguem lugar... Mas queria dizer que esse espaço é muito especial pra mim. Primeiro porque me faz pensar em mim e quase me faz pirar menos com o mundo sabe? E em segundo lugar e tão importante quanto é que ele me faz encontrar lugares especiais que me fazem muuuuito bem! Gostaria que soubessem que cada frase, texto, comentário que leio de vocês certamente faz o meu dia ser ou terminar diferente... e principalmente me faz querer viver outros dias sabe?

14 abril, 2011

?





Talvez eu nunca serei
Todas as coisas que eu quero ser
Mas agora não é hora para chorar
Agora é hora de descobrir por quê.
(Live Forever - Oasis)

13 abril, 2011

Às vezes...




"Às vezes, o que você mais quer não acontece...
E o que você menos espera... acontece."
(Filme: Amor e outras drogas)

12 abril, 2011

Talvez eu possa...




Quando começa a ficar bom ou eu desconfio ou dou um passo para trás.
Clarice Lispector

Medo do quê??? Eu só queria entender isso, nem que fosse só um pouquinho. Porque nesses 27 anos de nada adiantou ser a pessoa mais cuidadosa, e pensar e repensar 234 vezes antes de tomar qualquer decisão...

Sabe quando só uma vez na vida você queria ser a pessoa que não pensa? Que vive? Que sente? Que se joga e vê o que acontece, porque no fundo sabe que do chão não vai passar e diferente de mim, paga pra ver... Eu fico lendo, ouvindo e vendo histórias acontecerem, e as pessoas viverem...

Enquanto eu, fico aqui! Plajejando 876 quedas diferentes, e estudando qual a melhor maneira de sofrer menos, sem nem perceber (ou quase) o sofrimento que é não pagar pra ver... Não viver, não sentir...

Fiquei aqui pensando o que é que me faz paralisar diante das possibilidades... Não exatamente paralisar, mas dar esse bendito passo para trás... ou desconfiar...  sempre desconfiar... Fico lembrando da sua cara me olhando como se eu representasse mesmo uma possibilidade de começar de novo, ou simplesmente de ser feliz naquele momento, de viver, e eu ali, tentando racionalizar que não devia significar nada... nem pra você e nem pra mim... 

Fico lembrando de mim, do meu desespero cada vez que algo me faz sentir viva, exatamente da maneira como eu tenho medo... De como olho para as histórias ao meu redor e desconfio que essas coisas aconteçam de verdade... E do pensamento seguinte que é: 'tanto faz'. 'Eu estragaria mesmo se elas acontecessem...'. Lembro de alguém me dizendo que eu não posso afastar as pessoas pra sempre... Uma novidade pra você: talvez eu possa.  

04 abril, 2011

Se sentir confortável talvez seja a primeira saída...



  
Depois de tantas buscas, encontros, desencontros, acho que a minha mais sincera intenção é me sentir confortável, o máximo que eu puder, estando na minha própria pele. É me sentir confortável, mesmo acessando, vez ou outra, lugares da memória que eu adoraria inacessíveis, tristezas que não cicatrizaram, padrões que eu ainda não soube transformar, embora continue me empenhando para conseguir.

Ana Jácomo

29 março, 2011

Meu coração bate sem saber...





Meu Coração

Arnaldo Antunes
Composição: Arnaldo Antunes

Meu coração bate sem saber
Que meu peito é uma porta que ninguém vai atender
Meu coração bate sem saber
Que meu peito é uma porta que ninguém vai atender

Quem sente agora está ausente
Quem chora agora está por fora
Quem ama agora está na cama doente
Só corre nunca chega na frente
Se chega é pra dizer vou embora
Sorriso não me deixa contente

E todas as pessoas que falam pra me consolar
Parecem um bocado de bocas se abrindo e fechando
Sem ninguém pra dublar
Eu já disse adeus antes mesmo de alguém me chamar
Não sirvo pra quem dá conselho
Quebrei o espelho, torci o joelho, não vou mais jogar

28 março, 2011

Imprevistos...




Muitos amores só existem por resistir ao primeiro desencontro e esperanças são lançadas sobre recomeços, quando o imprevisto acontece e alguém te encontra. E te reecontra. Te reinventa. Te reencanta. Te recomeça.
Gabito Nunes

26 março, 2011

Um dia chego lá...





A prova de que estou recuperando a minha saúde mental, é que estou muito mais permissiva: eu me permito mais liberdade e mais experiências. Aceito o acaso. Anseio pelo que ainda não experimentei. Maior espaço psíquico. Estou felizmente mais doida.

Clarice Lispector

20 março, 2011

...



Você não sabe, nem sonha, mas você acaba de zerar minha vida. Minha vida era vestir a armadura e relembrar com dor pela milésima vez todos os últimos podres de todas as pessoas podres que passaram ultimamente pela minha vida. Você acaba de zerar tudo. Com a parte mais quente das suas costas, com o seu medo de beijo na orelha e com o seu jeito de se desculpar por falar demais e balançar os pés, você acaba de me salvar.

Este texto é pra te falar uma coisa boba. É pra te pedir que não tenha medo. Sabe esses textos que eu publico aqui falando bobagem? Sabe esses textos falando que eu sei disso e sei daquilo? Eu não sei de nada. Eu só queria ser salva das pedras, eu só queria aprender a pegar carona nas ondas. Eu só queria poder chegar em casa e ver tudo diferente. Ver tudo bonito. Ver tudo como de fato é. E você salvou minha vida.

O mundo está lindo. Não tenha medo. Eu só queria que esta minha vontade de perdoar o mundo durasse. Hoje eu não odiei o Bradesco, a Vivo, meus pais, o IPTU, o motoqueiro que me manda ir mais para o lado, o cara que fala caipira, aquela garota que você sabe quem é. Hoje eu não odiei nada nem ninguém. Eu apenas fiquei lembrando, a cada segundo, que você se desesperou pra encontrar meu brinco de coração. Você quis encontrar meu coração pequenininho no escuro. E você encontrou. E você salvou meu dia, minha semana. E salvar meu dia já são zilhões de quilômetros. Você é meu herói.

Não tenha medo deste texto. Não tenha medo da quantidade absurda de carinho que eu quero te fazer. Nem de eu ser assim e falar tudo na lata. Nem de eu não fazer charme quando simplesmente não tem como fazer. Nem de eu te beijar como se a gente tivesse acabado de descobrir o beijo. Nem de eu ter ido dormir com dor na alma o fim de semana inteiro por não saber o quanto posso te tocar. Não tenha medo de eu ser assim tão agora. Nem desse meu agora ser do tamanho do mundo. Eu estou tão cansada de assustar as pessoas. E de ser o máximo por tão pouco tempo. E de entregar tanta alma de bandeja pra tanta gente que não quer ou não sabe querer. Mas hoje eu não odeio nenhuma dessas pessoas. E hoje eu não me odeio. Hoje eu só fecho os olhos e lembro de você me pedindo sem graça para eu não deixar ninguém ocupar o lugar da minha canga. Tudo o que eu mais queria, por trás de todos esses meus textos tão modernos, sarcásticos e malandros, era de alguém que me pedisse para guardar o lugar. Tá guardado. O da canga e de todo o resto. (...)

Hoje, depois de muito tempo, eu acordei e não me olhei no espelho. Eu não precisei confirmar se eu era bonita. Eu acordei tendo certeza. Não tenha medo. Eu sou só uma menina boba com medo da vida. Mas hoje eu não tenho medo de nada, eu apenas fecho os olhos e lembro de você me dando aquela flor, fazendo piada ruim às sete da manhã, me lendo no escuro mesmo com dor de cabeça. Eu posso sentir isso de novo. Que bom.

Achei que eu ia ser esperta pra sempre, mas para a minha grande alegria estou me sentindo uma idiota. Sabe o que eu fiz hoje? As pazes com o Bob Marley, com o Bob Dylan e até com o ovomaltine do Bob's. As pazes com os casais que se balançam abraçados enquanto não esperam nada, as pazes com as pessoas que não sabem ver o que eu vejo. E eu só vejo você me ensinando a dar estrela. Eu só vejo você enchendo minha vida de estrelas. Se você puder, não tenha medo. Eu sou só uma menina que voltou a ver estrelas. E que repete, sem medo e sem fim, a palavra estrela no mesmo parágrafo. Estrela, estrela, estrela. Zilhões de vezes.

Tati Bernardi

09 março, 2011

Dizem...




(Image by Taryn)

"Dizem que tudo o que buscamos, também nos busca e, se ficarmos quietos, o que buscamos nos encontrará. É algo que leva muito tempo esperando por nós. Enquanto não chega, nada faças. Descanse. Já verás o que acontece enquanto isto."

Clarissa Pinkola

Um pouquinho atrasada mas... Que todos os dias sejam nossos e de quem mais quiser compartilhar conosco!

Que tenhamos sabedoria para esperar e coragem para dar os primeiros passos...



06 março, 2011

Tentando acreditar que...



(Image by Michelle O'kane)

A vida é tecelã imprevisível, e ponto dado aqui vezenquando só vai ser arrematado lá na frente.
Caio Fernando Abreu

03 março, 2011

Sempre as pessoas...




(Image by Jasper James)
(...) Me recordei rapidamente de todas as pessoas e coisas que perdi por ainda não estar preparada para elas, ou por ainda ter muita curiosidade de mundo e dificuldade em ser permanente...
Tati Bernardi

Tenho pensado muito exatamente nisso... nas pessoas que perdi pelo caminho... Na verdade, pensei que depois que uma pessoa participa/entra/tromba/enrosca/enfim... na nossa vida, fica complicado dizer que a perdemos... Porque vai ter sempre um cheiro, uma música, um olhar, uma chuva, um filme, um qualquer coisa que vai traze-lá de volta... não importa o quão longe ela esteja. Aliás, pensei também em como as pessoas "impregnam"... os perfumes, músicas, lugares nunca mais são os mesmos depois delas... Já reparou?

Mas o fato é que me senti como se nesse caminho todo, existisse um tabuleiro de xadrez e eu estivesse sempre fazendo a jogada errada, e perdendo peça a peça... e fiquei me perguntando o que/quem vai sobrar? Ou se há um novo jogo? Mais pessoas nesse mundo... Não sei se pensar na minha curiosidade de mundo (que de fato existe e é enorme) melhora a fotografia... Fiquei pensando que talvez eu não as queira de modo permanente... Fiquei pensando se quando as quero, elas percebem isso? Se eu consigo demonstrar que as quero participando da minha loucura... Resumindo... descobri que tenho muito medo de não ter habilidade para manter as pessoas na minha vida... pra além das recordações...

28 fevereiro, 2011

Só sorriso...




Só Sorriso
Maria Gadú
Composição: Dani Black

Quando eu olho pra você
Vejo silêncio e lágrima
Incrustados num mundo de solidão
O que se mostra o que dá pra ver não é lástima
Do que de fato habita o seu coração
Tanta coisa parada sem par
Tanta coisa presa
Na tristeza de se refrear
O que a vida mais preza
A certeza de ser fiel
A própria natureza
Como você poderia saber
Se nesse mundo seu
Você não dá motivos ao sol
Pra clarear nova era
Você não dá ouvidos ao som
Que anuncia a quimera
Você não agoniza de amor
Mas já não sabe onde mora
É só sorriso mas não consegue chorar
Isso não ameniza seus ais
Não põe as mágoas pra fora
Não abandona a casa da dor
Quem quando dentro ignora
Você não admite sofrer
Mas já se vê sem escolha
É só sorriso mas não consegue chorar

26 fevereiro, 2011

Eu tenho medo...

 

(Image by Lauri Rotko)

"Eu tenho medo de acreditar em você, de te desejar tanto tanto e acabar descobrindo que eu ainda tenho um coração (...)"
Tati Bernardi

19 fevereiro, 2011

Pode ter...




(Image by Beth Retro Photography)

"A outra mão dele, a livre, está ao alcance dela. Ela sabe e não a toma. Tem exatamente o que precisa ter: Pode ter."
Clarice Lispector

25 janeiro, 2011



(Image by Marc Gutierrez)

"Estamos agindo certo sem saber onde o certo nos levará, se para o céu ou para uma úlcera. Existem dias – e só confessamos isso para o terapeuta ou para o melhor amigo – em que gostaríamos de sumir no mundo, deixar para trás todos os afetos que nos são sagrados, todo o nosso currículo de tarefas bem-feitas, e ficar à disposição do imponderável, dos impulsos, do incerto."

Martha Medeiros

22 janeiro, 2011

O vento vai dizer lento o que virá...

 

(Image by Glowimages)

- Como pode alguém sonhar
o que é impossível saber?
- Não te dizer o que eu penso
já é pensar em dizer

(O Vento - Los Hermanos)

19 janeiro, 2011

Medo do que dá medo...



(Image by Kei Hiramatsu)


Há o certo, o errado e aquilo que nos da medo, que nos atrai, que nos sufoca, que nos entorpece.
Martha Medeiros

13 janeiro, 2011

...



(Image by Piotr Powietrzynski)

Pensar no que está sendo, ou antes, não, não pensar, mas enfrentar e penetrar no que está sendo é coragem.
Martha Medeiros

12 janeiro, 2011

Às vezes...



(Once)

"Às vezes o que a gente procura não é o que a gente procura, mas o que a gente encontra..."

11 janeiro, 2011

Sacanagem...

 
 
(Image by Loubie Lou)
 
"É difundir a idéia de que só há uma fórmula para ser feliz, a mesma para todos, e que os escapam dela estão condenados à marginalidade. Ninguém nos conta que essas fórmulas muitas vezes dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que poderíamos tentar outras alternativas menos convencionais.
Sacanagem é nos condicionarem  a um  amor cheio de regras e príncipios, sem ter direito à leveza e ao prazer que nos proporcionam as coisas escolhidas por nós mesmos".

Martha Medeiros - Budas Ditosos

10 janeiro, 2011

Procurando a coragem...





 "O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem."

João Guimarães Rosa 
 
Se eu vou encontrar, essa é outra história...
Mas posso dizer que procurá-la já é uma grande movimento... 

06 janeiro, 2011

Chances?



(Image by Joos Mind)

'O fator de chance na vida é algo incompreensível'.
(Filme: Tudo pode dar certo)

05 janeiro, 2011

Do tamanho do mundo?



(Image by Eric Eric McNatt)

Não me sentindo mais tão pequena...
E percebendo que o mundo é mesmo grande e cheio de possibilidades...
Pode chover...

03 janeiro, 2011

Tempo



(Relógio by ahahahlenaII)

"Às vezes eu queria parar o tempo...
Mas o mundo só anda pra frente, e a gente não avança sem deixar algumas coisas pra trás..."

02 janeiro, 2011

Eu sou...



(Caminho by Gisaiagami)

Acho que estou num momento egoísta sabe? Tentando entender um pouco melhor (assim como vou tentar até o fim) quem eu sou e coisas assim... E lembrei dessa crônica... De fato somos a somatória de tudo o que vivemos e do que não vivemos também... e até do que sonhamos viver um dia... E espero que sejamos o que ninguém vê, mas também o que deixamos que os outros vejam...

Você é...
(Martha Medeiros)

Você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra.

Você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora.

Você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda.

Você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima.

Você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia.

Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. Você é o que ninguém vê.

Faxina geral! 2011 chegou!



Nova foto para o mural: Búzios no Natal...

Se tem uma parte que me irrita no final e no começo do ano é quando o nosso balanço começa a ficar profundo demais... A tradicional retrospectiva eu acho bastante simpática e terapeutica inclusive, afinal em meio a tanta correria e diante da nossa esperteza de querer muitas vezes 'empurrar as coisas para debaixo do tapete', de fato esse balanço nos faz conseguir voltar até sentimentos e acontecimentos importantes...

Arrumei gavetas (mais desarrumei que arrumei, mas...), organizei livros, filmes, CD's, fotografias, a tinta nova para a parede colorida do meu quarto, o mural de fotos, e comecei a pensar em mim! E no meu exercício mais complicado para 2011... Me deixar surpreender... E ter momentos de coragem... E fiquei pensando qual o problema com isso? Porque é tão complicado lidar com o que não está no roteiro (ainda que furado) que eu imaginei?

E aí fui pensando que criatura complexa eu poderia ser para ter tanto problema com isso... E de repente começou a surgir uma lista enorme... De coisas que eu gosto, não gosto, de como eu penso que sou... Não é da curiosidade de ninguém isso sabe? Mas resolvi dividir... Acho que posso rever isso lá no começo de 2012...

Gosto de doce com salgado, mais do que doce ou salgado separados, adoro a combinação!

Barulho e cheiro de chuva... (Como a que está lá fora nesse momento...)

Vento, vento no rosto, principalmente no fim de tarde, e se for vento de chuva então...

Entardecer! Adoro ver o sol se pôr, mais do que ele nascer, não sei porque, mas o pôr do sol me trás muito mais a idéia de recomeçar...

Adoro a lua, posso ficar horas olhando pra ela, na verdade acho que adoro as coisas que ela me faz pensar...

Adoro horóscopo, astrologia, numerologia, e tudo mais que os astros, as cartas, as pedras, as cores... possam me dizer! Pode ser a coisa mais babaca do planeta, mas não vivo sem tentar interpretar aquelas previsões algumas vezes sem pé nem cabeça... Se você também gosta dá uma olhadinha aqui...

Romances e comédias românticas: nem que seja pra duvidar e dizer ‘só em filme mesmo’ (Tudo bem, uma certa experiência me fez aposentar essa frase por tempo indeterminado)...

Mania de anotar frases de filmes... Adoro aquelas frases de efeito, malucas, que de alguma maneira são coisas que eu queria dizer, ouvir, ou mesmo esquecer... A de hoje: 'O universo é um acaso cego sem sentido', do filme 'Tudo pode dar certo'... E o Boris, consegue ser mais reclamão do que eu...

Adoro analisar filmes e ficar comparando com coisas que na maioria das vezes nem são comparáveis... Adoro chorar, rir, ficar brava também e todas as emoções que eles me fazem sentir!

Morro de vergonha de receber elogios, odeio ficar sem jeito...

Sou ótima pra desviar o assunto, sair pela tangente...

Odeio como algumas pessoas possuem o poder de nos decifrar em tão pouco tempo... (prefiro pensar isso,  do que talvez o fato de que eu possa ser ‘alguém tão previsível’)

Penso sempre nas terceiras intenções, não consigo ouvir coisas sem analisar o que pode querer dizer... (posso errar, mas eu tento...)

Duvido de tudo e de todos, mas, no fim acabo acreditando em algo...

Sou teimosa, extremamente teimosa... Se quer me convencer, deixe que eu pense que cheguei a essa conclusão sozinha, nem por convencimento, nem por oposição...

Adoro viajar... a idéia de estar ‘a caminho de...’ me fascina... Seja de carro, ônibus, trem, avião, navio... E principalmente de conhecer lugares novos!

Faço muitos planos (que quase sempre dão errado, com exceção dos meus mapas!)...

Penso muito, 'demais da conta' eu diria... Já dizia Clarice que pensar demais irrita...

‘E SE’ é uma expressão recorrente nos meus pensamentos inclusive...

Sou um pouco reclamona (ok, você tem razão), pessimista talvez, ou seria realista demais?

E ao mesmo tempo a Srta ‘Tudo vai dar certo de alguma maneira’, embora na maioria das vezes eu não faça idéia de como!

Tenho medo de sentir medo, ainda que assim viva com ele...

Falo pelos cotovelos, menos quando estou com vergonha, aliás, quando estou nervosa fico monossilábica...

Gosto mais da muvuca da cidade do que do verde... Verde para as férias e o feriado, mas o barulho, o movimento, para o dia-adia definitivamente (pode ser só costume...)

Tenho vontade de morar em São Paulo um dia...

E dar a volta ao mundo também... nem que seja nos lugares mais legais (pra mim) e de mochilão... Isso inclui conhecer a Grécia e a Irlanda... (Influência de alguns filmes...)

Ainda quero aprender a tocar gaita (culpa da Alanis...)

Gosto de músicas dos tipos mais variados... Mas gosto sempre daquelas que me fazem pensar em coisas... Sabe? Músicas que te levam pra outro lugar, que mudam o tom do seu dia? Que te fazem pensar em coisas que sem elas você não seria capaz de pensar e nem de sentir... Essas!

Adoro cantar sozinha! Na frente do computador, arrumando meu quarto, em pensamento no ônibus...

Ah e amo trilhas sonoras de filmes! É quase automático terminar de ver o filme e procurar a trilha! E lá vai ela para o celular tocar por tempo indeterminado...

Odeio aparecer em fotografias! Odeio, talvez mais do que pimentão e sentir medo! Mas adoro tirar fotos! Ver fotos, ler sobre fotos! Ainda estou ‘me devendo’ um curso de fotografia.

Amo cinema! Não entendo quase nada tecnicamente, mas amo filmes! De todos os tipos! Posso ficar horas especulando sobre eles depois, detalhes, bastidores... Aliás, estou devendo mais um curso de cinema também! E mais idas ao cinema também!

Sou a Srta curiosidade! Não há nada que me deixe mais nervosa do que ficar curiosa! Cuidado!

Odeio como o meu modo um tanto cético de ver as coisas faz com que elas percam o encanto... Mas adoro o encanto que consigo imaginar... (mesmo que hora mais, hora menos, duvide dele)

Adoro a minha imaginação e maneira como ela flui, muitas das vezes a partir de nada...

Eu gosto da maneira como me interesso por coisas diferentes... Basta ser diferente que estou lá... Xeretando, tentando entender, e isso felizmente ou infelizmente vale para as pessoas também! Apesar do medo da surpresa, adoro quem me provoca curiosidade...

Morro de vontade de cantar no Karaokê! Bom deixar claro que vontade não significa coragem né?

Adoro jogar conversa fora com amigos especiais, e o poder que isso tem de transformar um dia chato num dia cheio de possibilidades...

Adoro rir! E quem me faça rir também! Acho que essa é uma das melhores qualidades das pessoas, o poder de fazer as outras rirem, do mundo, dos absurdos da vida, de bobeiras, de si mesmas...

Adoro cadernetas, ainda que não termine de fato nenhuma delas, mas há várias espalhadas por bolsas, caixas, no meu quarto... gosto de escrever coisas bestas que eu penso pelo caminho...

E esse blog certamente me ajudou a descobrir muitas dessas coisas!
E acho que chega... Continuo com as cadernetas e quando houver algo interessante, prometo trazer pra cá!

Que em 2011 eu descubra mais uma porção de coisas pra gostar, pra não gostar, pra sentir saudade...